VÍDEO AULAS

Veja o que os especialistas dizem sobre os principais assuntos da pediatria.

FILTRAR VIDEOS POR:

Criança segura no trânsito

Conheça as orientações da Dr.ª Simone Abib para evitar acidentes com criança no trânsito.
X
Criança segura no trânsito
Uma das maiores causas de mortes infantis são os acidentes de trânsito. Confira na Vídeo Aula algumas medidas simples que podem evitá-los.

Criança segura no trânsito

Acidentes de trânsito são responsáveis por quase metade das mortes de crianças de até 14 anos no Brasil, das quais a maioria tem como causa o atropelamento. Há medidas simples para aumentar a segurança no trânsito e é essencial que essas informações sejam ditas nos consultórios para alertar, sobretudo, os pais. Saber que as crianças possuem uma visão periférica menos aguçada que os adultos, por exemplo, pode fazer com que a atenção ao atravessar a rua seja redobrada.
Assista à vídeo aula e confira todas as dicas da Dr.ª Simone Abib.

Fisiologia da criança quanto aos remédios

Veja o que a Dr.ª Gilda Porta diz sobre a proteção das crianças com relação a remédios.
X
Fisiologia da criança quanto aos remédios
A fisiologia infantil sofre mudanças ao longo do tempo e deve ser levada em conta no momento da medicação, sendo precisa, segura e eficaz. Confira!

Fisiologia da criança quanto aos remédios

A fisiologia infantil sofre diversas modificações ao longo do desenvolvimento. Por isso, é importante tomar cuidado com as prescrições médicas, elas devem ser precisas, seguras e eficazes. O que acontece com o processo fisiológico da criança que toma remédios via oral? Qual a dose ideal? Dependendo da idade, a forma de absorção também muda e pode ser mais rápida ou mais lenta.
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Gilda Porta e entenda a importância de levar em conta as condições fisiológicas da criança ao fazer uma prescrição médica.

Dermatologia Pediátrica Espanhola

Confira os principais temas abordados no Congresso Mundial de Dermatologia Pediátrica.
X
Dermatologia Pediátrica Espanhola
A Dr.ª Susana Giraldi participou do Congresso Mundial de Dermatologia Pediátrica, na Espanha, e comenta nesse vídeo alguns tópicos sobre dermatite. Confira!

Dermatologia Pediátrica Espanhola

A Dr.ª Susana Giraldi participou do Congresso Mundial de Dermatologia Pediátrica, realizado em setembro de 2013, na Espanha, e comenta nesse vídeo alguns tópicos sobre dermatite abordados no evento. Os temas são urticária e angioedema, toxicodermias e Nevos Melanocíticos.
Assista à vídeo aula e entenda as variações da urticára, o momento para realizar os exames de investigação e os tratamentos indicados. Entenda também as reações adversas a medicamentos nos casos de toxicodermias e a explicação sobre nevos melanocíticos congênitos ou adquiridos.

Dermatite de fraldas

Veja as principais causas de dermatite de fraldas, apresentadas pela Dr.ª Susana Giraldi.
X
Dermatite de fraldas
A dermatite de fralda é muito comum, uma vez que ocorre em uma área sensível da pele do bebê. Confira a video aula e saiba mais sobre o assunto!

Dermatite de fraldas

A dermatite de fraldas é uma condição comum no lactente. A área do períneo fica ocluída por fraldas, o que favorece o aumento da umidade, da perda de água e do pH da pele. A umidade contribui para que a pele do bebê absorva substâncias encontradas na urina e nas fezes, causadoras de dermatoses.
Assista à vídeo aula ministrada pela Dr.ª Susana Giraldi e confira outros aspectos da dermatite de fraldas, como ela prejudica a barreira cutânea e os principais tratamentos para os casos leves e moderados da doença.

Enxaqueca e cefaleia em crianças e adolescentes

Conheça os cenários da cefaleia e enxaqueca infantil, discutidos pelo Dr. Fernando Arita.
X
Enxaqueca e cefaleia em crianças e adolescentes
A dor de cabeça em crianças e adolescentes é muito comum e deve ser tratada com muita atenção. Saiba mais sobre o assunto com o Dr. Fernando Arita!

Enxaqueca e cefaleia em crianças e adolescentes

A dor de cabeça é um sintoma muito frequente na população infantil e adolescente. Geralmente, trata-se de uma patologia benigna, mas como é possível tratar isso? Como em qualquer sintoma pediátrico, é necessário destrinchar os sintomas, com uma boa anamnese, exame físico e um breve exame neurológico, além de mapear o histórico da dor.
Assista à vídeo aula com o Dr. Fernando Arita e descubra o que é preciso saber sobre as formas de cefaleia e o perfil sintomático de enxaqueca infantil, além de seus diagnósticos.

Princípios do tratamento da dor em pediatria

Veja o que a Dr.ª Silvia Maria de Macedo Barbosa fala sobre a dor em pediatria.
X
Princípios do tratamento da dor em pediatria
Uma sensação de dor não tratada pode desencadear mudanças e transtornos no sistema nervoso. Confira as orientações para o alívio correto da dor!

Princípios do tratamento da dor em pediatria

Quando uma criança diz que sente dor é muito importante acreditar. Uma sensação de dor não tratada na pediatria pode desencadear mudanças e transtornos permanentes em seu sistema nervoso, interferindo em seu desenvolvimento. A correta avaliação desse desconforto, nos diferentes grupos etários, e uma análise cuidadosa dos componentes e fatores que causaram a dor é fundamental para se evitar a morbidade precoce.
Assista à vídeo aula da Dr.ª Silvia Maria de Macedo Barbosa que fala sobre avaliação e tratamento da dor na pediatria.

Adenite cervical em crianças

Descubra como diagnosticar a adenite cervical e entender o problema, com o Dr. Silvio Zuquim.
X
Adenite cervical em crianças
Adenite Cervical é o aumento dos linfonodos do pescoço acompanhado de dor e inflamação. Conheça suas principais causas infecciosas e não infecciosas!

Adenite cervical em crianças

Adenite Cervical é o aumento dos linfonodos do pescoço (móveis ou imóveis), acompanhado de dor e inflamação. Quando os nódulos se encontram na linha média do pescoço, geralmente, não se trata de gânglios inflamados. Para diferenciar o diagnóstico, é possível fazer uma dosagem de amilase, uma ultrassonografia ou até uma biópsia.
Assista à vídeo aula do Dr. Silvio Zuquim e conheça as principais causas infecciosas e nãoinfecciosas da adenite cervical e o que é importante levar em conta para chegar a um diagnóstico preciso.

Dor de crescimento

Acompanhe a palestra da Dr.ª Elizabeth Fernandes sobre diagnósticos da dor de crescimento.
X
Dor de crescimento
A principal causa da dor de crescimento é um trauma ortopédico. Assista à video aula e entenda suas características, diagnóstico e prognóstico!

Dor de crescimento

A principal causa da dor aguda nos membros é um trauma ortopédico. Já o diagnóstico diferencial da dor crônica deriva de vários fatores, desde doenças reumatológicas e hematológicas até neoplasias, traumas e osteocondrites. Mais do que saber o que é a dor de crescimento, é preciso saber como ela se apresenta, os períodos em que aparece, os sinais de alerta, seu diagnóstico e prognóstico.
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Elizabeth Fernandes e entenda as características da dor de crescimento e da fibromialgia infantil, além de ver alguns casos clínicos.

Erupção dentária na infância

Entenda a erupção dental e seu tratamento com a cirurgiã dentista Dr.ª Eliete de Almeida.
X
Erupção dentária na infância
Os primeiros sinais da dentição infantil surgem nos 6 primeiros meses de vida e a primeira dentição aparece entre os 6 e 12 meses. Confira!

Erupção dentária na infância

A erupção dentária é o processo no qual o dente se desloca da cripta óssea até o plano oclusal. Os primeiros sinais da dentição infantil surgem nos 6 primeiros meses de vida, já a primeira dentição aparece entre os 6 e 12 meses. Uma das principais dúvidas nas consultas são relacionadas às alterações sistêmicas e locais durante o período de rompimento dos dentes decíduos na boca da criança.
Assista à vídeo aula com a cirurgiãdentista Dr.ª Eliete de Almeida e saiba mais sobre a erupção dentária, suas manifestações e o que fazer em caso de desconforto.

Otite e amigdalite

Veja o que a Dr.ª Tania Sih fala sobre otite, amigdalite e tratamentos para dor e febre.
X
Otite e amigdalite
Infecção na garganta ou no ouvido merece um cuidado especial, pois pode vir acompanhada de dor e febre. Confira tudo sobre o assunto na video aula!

Otite e amigdalite

Nos casos de otite e amigdalite, os principais fatores que devem ser combatidos são a dor e a febre com analgésicos e antitérmicos. Além disso, os quadros virais de infecções das vias aéreas superiores merecem tratamentos de suporte. Mas como diferenciar otite de amigdalite? E com relação aos casos virais ou bacterianos?
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Tania Sih e conheça as características da otite externa, otite média aguda, amigdalite viral e amigdalite bacteriana, além dos fatores de risco e os tratamentos para esses problemas.

Dor musculoesquelética idiopática

Veja o que o Dr. Clovis Silva diz sobre a dor do crescimento na infância e adolescência.
X
Dor musculoesquelética idiopática
Cerca de 6% a 44% das crianças de 4 a 14 anos apresentam sintomas da dor musculoesquelética idiopática, a dor do crescimento. Confira!

Dor musculoesquelética idiopática

A dor de crescimento não é inflamatória, mas é crônica e difusa, pois acomete mais de um membro. Entre 6% a 44% das crianças de 4 a 14 anos apresentam sintomas da dor musculoesquelética idiopática. Para o diagnóstico da dor do crescimento são considerados os critérios de Peterson. A fisiopatologia é desconhecida, mas há vários fatores que podem desencadear a doença.
Assista à vídeo aula do Dr. Clovis Silva e entenda as características, causas e diagnóstico da dor do crescimento infantil e também quando há sinal de alerta para outras doenças.

Dor em erupção dental

Veja o que a Dr.ª Adriana Mazzoni fala sobre as manifestações da dor em erupção dentária.
X
Dor em erupção dental
A erupção dentária dura de 2 a 3 dias e pode ser um período de muito desconforto para o bebê. Entenda as fases, sintomas, desconfortos e manifestações!

Dor em erupção dental

O significado de erupção vem do latim e significa saída com ímpeto. A erupção dental é considerada desde o momento em que o dente começa a se movimentar na cavidade onde está se desenvolvendo, até o movimento de sair, atravessar a gengiva e encontrar o dente antagonista. Nos bebês, ela dura de 2 a 3 dias, podendo causar algumas intercorrências.
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Adriana Mazzoni e entenda o que pode acontecer no período de erupção dental: quais os processos, fases, sintomas, desconfortos e manifestações.

Dores relacionadas à atividades físicas e esportivas

Descubra o que a Dr.ª Ana Lúcia de Sá fala sobre dores relacionadas à atividades físicas e esportivas.
X
Dores relacionadas à atividades físicas e esportivas
As instituições incentivam cada vez mais a prática de atividades físicas na infância, o que resulta no aumento de lesões e do uso de antiinflamatórios. Confira:

Dores relacionadas à atividade física e esportiva

A literatura há muito já estabelece a importância do exercício físico à saúde. Com isso, as instituições incentivam cada vez mais a prática de atividades, o que inclui o estímulo às crianças a participarem de esportes competitivos. O resultado é o aumento no número de lesões 1 milhão por ano e, consequentemente, no uso de antiinflamatórios.
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Ana Lúcia de Sá e entenda sobre as dores e lesões no esporte, a prevalência do uso de antiinflamatórios, seus efeitos colaterais e a interferência na performance do atleta.

Fibromialgia juvenil

Confira um caso clínico de fibromialgia juvenil explicado pela Dr.ª Melissa Fraga.
X
Fibromialgia juvenil
Fibromialgia é uma síndrome que provoca dores no corpo todo por longos períodos. Conheça o caso clínico e entenda suas causas, diagnóstico e tratamento.

Fibromialgia juvenil

GRT é uma menina de 15 anos e que há 6 anos apresenta dor nas pernas e nos braços quase todos os dias. A dor piorou nos últimos 6 meses e ela sente cansaço excessivo, além de casos de falta de ar. Na consulta, foi confirmado o diagnóstico de fibromialgia. A partir daí, são explorados os sintomas da fibromialgia pediátrica, sua classificação, causas, impactos no dia a dia, diagnóstico e tratamento.
Assista à vídeo aula com a dermatologista e pediatra Dr.ª Melissa Fraga para conhecer o caso clínico e entender melhor o que é fibromialgia juvenil.

Disfunções temporomandibulares (DTM) na criança

Saiba mais sobre a disfunção temporomandibular com a explicação da Dr.ª Liete Zwir.
X
Disfunções temporomandibulares (DTM) na criança
A queixa da disfunção é diferente na criança e no adulto, por isso, vale tomar cuidado com os sintomas, como o maxilar estralando, por exemplo. Confira:

Disfunções temporomandibulares (DTM) na criança

A disfunção temporomandibular possui sinais que envolvem o músculo da mastigação, a articulação temporomandibular e as estruturas associadas. Apesar disso, a dor na mandíbula é multifatorial e deve ser tratada por uma equipe multidisciplinar. A queixa da DTM é diferente na criança e no adulto, por isso, vale atentar para os sintomas, como o maxilar estralando.
Assista à vídeo aula e entenda o que é a disfunção temporomandibular, quais suas causas e sintomas, como o problema afeta a qualidade de vida e o tratamento em crianças e adolescentes.

TYLENOL® paracetamol
Conheça o patrocinador

Dor do crescimento

Confira o que o Dr. Clovis Artur Almeida Silva fala sobre a dor do crescimento.
X
Dor do crescimento
O crescimento é uma das maiores causas de dores musculoesqueléticas idiopáticas em crianças e adolescentes, na maioria das vezes em meninas. Confira!

Dor do crescimento

O crescimento é uma das maiores causas de dores musculoesqueléticas idiopáticas, em crianças e adolescentes. A maior parte dos casos acontece em meninas, com idades entre 4 e 14 anos. Vale lembrar que esta é uma das causas mais comuns da dor em crianças e adolescentes.
Assista à vídeo aula do Dr. Clovis Artur Almeida Silva, chefe da Unidade de Reumatologia Pediátrica do Instituto da Criança, do Hospital das Clinicas da Universidade de São Paulo, e saiba mais sobre as manifestações clínicas do problema, vendo quais são os tratamentos mais indicados.

Cólica do lactente

Veja o que a pediatra Dr.ª Ana Teresa Stochero Leslie fala sobre a cólica do lactente.
X
Cólica do lactente
A cólica é comum nos primeiros meses de vida do bebê. Apesar de ser benigna, causa estresse em muitos pais e pode ter diferentes causas. Confira!

Cólica do lactente

A cólica em recém nascidos costuma causar muito estresse em pais, principalmente os de primeira viagem, além de pediatras. O diagnóstico geralmente depende muito do que é descrito pela família, mas é sempre importante descartar quaisquer outros tipos de diagnósticos.
Assista à vídeo aula da pediatra Dr.ª Ana Teresa Stochero Leslie, pós-graduada em pediatria neonatal na Universidade Federal de São Paulo, para entender melhor o problema, através de um caso clínico, e saber identificar quais atitudes devem ser tomadas.

Cefaleia infantil

Veja o que a Dr.ª Eliete Faria diz sobre diagnóstico e tratamento da enxaqueca infantil.
X
Cefaleia infantil
Ao contrário da maioria dos diagnósticos, a enxaqueca é a principal causa de cefaleia. Acesse e confira como prescrever o tratamento correto!

Cefaleia infantil

A dor de cabeça é a queixa mais frequente em crianças e, na maioria das vezes, apresenta um sintoma associado a um processo infeccioso. Ao contrário da maioria dos diagnósticos, que apontam para distúrbios visuais ou sinusite, a enxaqueca é a principal causa de cefaleia. Atualmente, há mais de 150 tipos de cefaleia, dos quais a maior parte pode ser diagnosticada com um exame clínico.
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Eliete Faria e descubra o que é essencial para um bom diagnóstico de cefaleia e como prescrever o tratamento correto.

Febre em criança: um sinal de alerta

Veja com o Dr. Jayme Murahovschi os sinais de alerta com relação à temperatura corporal.
X
Febre em criança: um sinal de alerta
Toda febre em criança vem acompanhada de um estado infeccioso, que na maioria das vezes é de origem viral. Confira os sintomas e o diagnóstico correto!

Febre em criança: um sinal de alerta

A temperatura corporal sempre é um sinal de alerta. Toda febre em criança vem acompanhada de um estado infeccioso que, na maioria das vezes, são infecções benignas de origem viral. Mas a febre pode indicar uma doença mais séria e, por isso, os pediatras devem estar atentos para identificar quando a temperatura indica um sinal de alarme ou de alerta.
Assista à vídeo aula do Dr. Jayme Murahovschi e veja como fazer o diagnóstico, quais são os principais sintomas e exames que devem ser realizados nas crianças febris e o momento certo para indicar um antitérmico.

História da Dengue no Brasil

Veja o que o médico infectologista, Dr. Artur Timerman, fala sobre a Dengue no Brasil.
X
História da Dengue no Brasil
Antes o vírus circulava em ambientes rurais e em regiões de florestas, hoje a Dengue é a principal doença do mundo. Confira seu comportamento e surtos!

História da Dengue no Brasil

A Dengue é a principal doença do mundo transmitida por um inseto. Foi-se o tempo em que o vírus circulava em ambientes rurais e nas regiões de florestas. A crescente urbanização, as condições de saneamento precárias, a falta de abastecimento de água e a coleta de lixo ineficaz, entre muitos outros problemas, fez com que se criasse um ambiente favorável para o vírus e o mosquito da Dengue.
Assista à Vídeo Aula do Dr. Artur Timerman, que conta um pouco sobre o comportamento e os surtos da Dengue nos últimos cem anos no Brasil.

Variações no clima que contribuem com a Dengue

Confira o que o Dr. Marcelo Corrêa conta sobre a relação entre meteorologia e Dengue.
X
Variações no clima que contribuem com a Dengue
A temperatura, a precipitação e a umidade do ar são os fatores que mais contribuem para o desenvolvimento do mosquito da Dengue. Saiba mais na video aula!

Variações no clima que contribuem com a Dengue

Os principais estudos sobre a Dengue indicam que a temperatura, a precipitação e a umidade do ar são os fatores que mais contribuem para o desenvolvimento do mosquito e também para a propagação da doença no país. Por isso, quando o verão se aproxima, surgem os primeiros sinais de alerta, já que temperaturas entre 24ºC e 28ºC são as mais favoráveis.
Assista à Vídeo Aula do Dr. Marcelo Corrêa, apresentada no Painel Multidisciplinar sobre a Dengue, e saiba mais sobre como o clima pode influenciar o desenvolvimento do mosquito da Dengue.

Atualização em vacinas contra a Dengue

Confira as informações do Dr. Kleber Luz sobre os avanços das vacinas contra a Dengue.
X
Atualização em vacinas contra a Dengue
Mesmo com toda a dificuldade de combater o vírus da Dengue, a medicina está avançando muito no desenvolvimento de uma vacina eficaz. Confira!

Atualização em vacinas contra a Dengue

Considerada uma doença muito importante, estudiosos e pesquisadores tentam criar uma vacina eficaz de proteção contra a Dengue. No Brasil, nos últimos cinco anos, foram diagnosticados mais de 3.200.000 casos da doença. Existe uma dificuldade em combater o agente Aedes aegypti, sobretudo, o vírus da Dengue, uma vez que ele pode desencadear quatro sorotipos diferentes, fazendo com que um indivíduo possa contrair a doença quatro vezes.
Assista à vídeo aula do Dr. Kleber Luz e veja como estão os estudos para o desenvolvimento de uma vacina eficaz.

Biologia do Aedes aegypti e mecanismos de controle

Veja o que o biólogo Gabriel Sylvestre conta sobre o Aedes aegypti.
X
Biologia do Aedes aegypti e mecanismos de controle
O biólogo Gabriel Sylvestre explica sobre o mosquito da Dengue, por que ele prefere o sangue humano e quais são as formas de controle da doença. Confira!

Biologia do Aedes aegypti e mecanismos de controle

Ao picar uma pessoa infectada com Dengue, o vírus passa por diversos processos no organismo do mosquito e, cerca de 10 a 14 dias depois, já pode ser retransmitido a um novo hospedeiro. A contaminação ocorre quando o vírus sai da glândula salivar do mosquito e vai para a corrente sanguínea do hospedeiro, geralmente, um ser humano.
Assista à Vídeo Aula do biólogo Gabriel Sylvestre, apresentada no Painel Multidisciplinar sobre a Dengue, e entenda o mosquito da Dengue, saiba porque ele prefere o sangue humano e quais as formas de controle da Dengue.

Entrevista sobre a Dengue no Brasil Parte 1

Confira a 1ª parte da entrevista de lançamento do livro Dengue no Brasil Doença Urbana.
X
Entrevista sobre a Dengue no Brasil Parte 1
Especialistas em dengue realizaram no Rio de Janeiro o Painel de Dengue no Brasil, um evento de médicos que se uniram para discutir a doença. Confira!

Entrevista sobre Dengue - Parte 1

2008 foi o ano em uma epidemia muito importante acometeu o Rio de Janeiro. Uma equipe de especialistas em Dengue foi deslocada até lá para realizar o primeiro Painel de Dengue no Brasil. Dessa discussão, saiu um resumo que foi distribuído para todos os médicos interessados, para ajudar no controle do problema. No ponto de vista do Dr. Artur Timerman, "a Dengue veio para ficar, infelizmente".
Assista à vídeo aula com os médicos Dr. Artur Timerman, Dr. Estevão Nunes e Dr. Kleber Luz sobre os principais trechos de sua obra sobre a Dengue no Brasil.

Entrevista sobre a Dengue no Brasil Parte 2

Confira a 2ª parte da entrevista de lançamento do livro Dengue no Brasil Doença Urbana.
X
Entrevista sobre a Dengue no Brasil Parte 2
Na 2ª parte da entrevista, os médicos falam sobre os assuntos clínicos que envolvem a Dengue: os exames, as manifestações e os tratamentos. Confira!

Entrevista sobre a Dengue no Brasil Parte 2

Na segunda parte da entrevista, os médicos falam sobre os principais assuntos clínicos que envolvem a Dengue: os exames que podem ser feitos para constatar a existência do vírus da Dengue, as principais manifestações clínicas da patologia e os principais paradigmas que deveriam ser quebrados para o tratamento da Dengue. Além disso, são abordados os medicamentos que podem ou não ser utilizados por alguém que porta o vírus da Dengue.
Assista à vídeo aula com os médicos Dr. Artur Timerman, Dr. Estevão Nunes e Dr. Kleber Luz sobre a Dengue no Brasil.

Entrevista sobre a Dengue no Brasil Parte 3

Confira a 3ª parte da entrevista de lançamento do livro Dengue no Brasil Doença Urbana.
X
Entrevista sobre a Dengue no Brasil Parte 3
Na 3ª parte da entrevista, há uma explicação sobre as perspectivas de uma vacina para a Dengue, quadros de hemorragia e proliferação do mosquito. Confira!

Entrevista sobre a Dengue no Brasil Parte 3

Na terceira parte da entrevista sobre a Dengue no Brasil, há uma explicação sobre os seguintes assuntos: as perspectivas de uma vacina para a Dengue, quadros em que há hemorragia, os principais detalhes que podem ser um sinal de alarme para a patologia e os fatores mais importantes para a proliferação do mosquito da Dengue. Além disso, os médicos comentam sua participação no desenvolvimento e coordenação da obra.
Assista à vídeo aula com os médicos Dr. Artur Timerman, Dr. Estevão Nunes e Dr. Kleber Luz sobre a Dengue no Brasil.

Painel Multidisciplinar sobre a Dengue no Brasil

Confira o que os especialistas em arboviroses têm a dizer sobre o panorama da Dengue.
X
Painel Multidisciplinar sobre a Dengue no Brasil
A Dengue produz vários sintomas e o período crítico se dá entre o 3º e o 5º dia. Seu combate está associado a práticas simples nas cidades. Confira!

Painel Multidisciplinar sobre a Dengue no Brasil

Os primeiros sinais da Dengue foram relatados no final do século XIX, na Russia. Hoje, é possível encontrar o agente Aedes aegypti em todo o mundo. Considerase uma doença muito importante porque ainda não foi descoberta uma vacina eficaz que combata o vírus da Dengue. A Dengue produz vários sintomas e o período crítico da doença acontece entre o terceiro e o quinto dia, podendo levar o indivíduo a óbito.
Assista à vídeo aula multidisciplinar e entenda como o combate à Dengue está associada à práticas eficazes nas organizações urbanas.

II Painel de atualização sobre Dengue

Confira o painel com dados sobre a Dengue, apresentado pelo Dr. Ricardo Hayden.
X
II Painel de atualização sobre Dengue
O vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti e atinge crianças e adultos em todo o país podendo agravar de forma rápida. Confira!

II Painel de atualização sobre Dengue

O doutor infectologista discorre sobre um estudo, cujo objetivo é mostrar os diversos aspectos que envolvem a doença da Dengue. O vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, que atinge crianças e adultos e o quadro clínico pode agravar de forma rápida. Por isso, ressalta-se a importância da disseminação das informações, a fim de dar suporte aos profissionais, para evitar a mortalidade dos pacientes acometidos pela doença.
Assista à vídeo aula do Dr. Ricardo Hayden e saiba mais sobre os últimos estudos relacionados ao mosquito da Dengue.

III Painel de atualização sobre Dengue

Confira o painel com informações sobre Dengue, apresentado pelo Dr. Artur Timerman.
X
III Painel de atualização sobre Dengue
O Dr. Artur Timerman explica as origens e variações da Dengue no nosso país. Assista à vídeo aula e entenda mais sobre os sintomas e tratamentos da doença.

III Painel de atualização sobre Dengue

O Dr. Artur Timerman explica as variações do vírus da Dengue, além de comentar as origens da doença no Brasil, expondo o histórico da epidemia que é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. A doença está presente em todas regiões do país e o controle dela é essencial para que formas mais graves do vírus não se espalhem, principalmente em grandes centros urbanos.
Assista à vídeo aula e entenda mais sobre os sintomas clássicos da doença, como obter um diagnóstico seguro e os tratamentos mais indicados.

IV Painel de Atualização sobre Dengue – Parte 1

Confira a primeira parte da palestra sobre Dengue, apresentada pelo Dr. Kleber Luz.
X
IV Painel de Atualização sobre Dengue – Parte 1
O Dr. Kleber Luz fala sobre a epidemiologia da Dengue para que você entenda melhor essa doença presente em todo o Brasil. Assista à vídeo aula!

IV Painel de Atualização sobre Dengue – Parte 1

Na primeira parte de sua palestra, o Dr. Kleber Luz fala sobre a epidemiologia da Dengue, que ele classificou como a virose mais importante do mundo. Uma fêmea do mosquito Aedes aegypti pode infectar muitas pessoas. Apesar de parecer simples, devido aos sintomas, a Dengue é extremamente complexa. A doença possui características exclusivas que merecem atenção, principalmente em casos hemorrágicos, que se não forem tratadas adequadamente podem ser fatais.
Assista à vídeo aula e entenda mais sobre a patologia da Dengue, seus paradigmas e paradoxos.

IV Painel de Atualização sobre Dengue – Parte 2

Confira a segunda parte da palestra sobre Dengue, apresentada pelo Dr. Kleber Luz.
X
IV Painel de Atualização sobre Dengue – Parte 2
O Dr. Kleber Luz fala sobre a patogênese da Dengue para que você entenda melhor como a doença age no organismo. Assista à vídeo aula!

IV Painel de Atualização sobre Dengue – Parte 2

Na segunda parte de seu painel, o Dr. Kleber Luz fala sobre a patogênese da Dengue, como o vírus age no corpo, quem tem mais chances de ter a doença e como a coagulação é afetada. A Dengue possui diversas manifestações clínicas, que vão desde infecções assintomáticas até a síndrome do choque da Dengue.
Assista à vídeo aula e aprenda como identificar essas formas clínicas, quais são seus detalhes, quais devem ser os cuidados necessários e como devem ser feitos os tratamentos do vírus da Dengue, principalmente, nas crianças.

IV Painel de Atualização sobre Dengue – Parte 3

Veja o que o Dr. Kleber Luz fala sobre a febre hemorrágica na terceira parte da palestra.
X
IV Painel de Atualização sobre Dengue – Parte 3
O Dr. Kleber Luz fala sobre as principais manifestações da Dengue no corpo do paciente. Confira nossa vídeo aula e fique por dentro do assunto.

IV Painel de Atualização sobre Dengue – Parte 3

Para se pensar em febre hemorrágica por Dengue, não é preciso que haja artralgia, mialgia, cefaleia ou dor retroorbitária, basta uma febre alta e contínua por 2 a 7 dias. Quando essa febre diminui, a criança entra na fase crítica e se houver 2 sinais de alarme por exemplo, vômito e dor abdominal intensa ela pode entrar em choque nas próximas 12 ou 24 horas.
Assista à vídeo aula e acompanhe a terceira parte do painel do Dr. Kleber Luz, sobre as principais manifestações clínicas e o manejo do paciente com Dengue que apresenta febre hemorrágica.

Gripe H1N1

Conheça as recomendações e imunizações da Dr.ª Nancy Bellei para a gripe H1N1 no Brasil.
X
Gripe H1N1
A influenza H1N1 é uma doença infecciosa que, nos humanos, geralmente é causada pelo vírus influenza A ou influenza B. Assista à vídeo aula e saiba mais!

Gripe H1N1

A Influenza H1N1 é uma doença infecciosa que, nos humanos, geralmente é causada pelo vírus Influenza A ou Influenza B. Em abril de 2009, um novo vírus de origem suína surgiu no México e, em junho de 2009, devido à disseminação em vários continentes, a Organização Mundial da Saúde declarou a nova pandemia, conhecida popularmente como gripe suína.
Assista à vídeo aula da Dr.ª Nancy Bellei e entenda como a Influenza H1N1 atua, quais são os quadros possíveis, a incidência no país, a sazonalidade, o diagnóstico e outros aspectos do vírus.

Gripe e Resfriado – Parte 1

Confira o que a infectologista Dr.ª Nancy Bellei explica sobre as viroses respiratórias.
X
Gripe e Resfriado – Parte 1
As viroses respiratórias são a maior causa de morbidade aguda, além de serem responsáveis por complicações. Assista à vídeo aula e saiba mais:

Gripe e resfriado Parte 1

As viroses respiratórias são a maior causa de morbidade aguda, além de serem responsáveis por complicações estudos documentam que 35% de casos de otite em crianças. Mas a gripe também impacta a medicina do trabalho, os funcionários e seus filhos. Com o advento das técnicas moleculares, muitos outros vírus não conhecidos antes já podem ser identificados agora. Todos eles têm causado infecção em diferentes sítios anatômicos.
Assista à vídeo aula para conhecer mais sobre o que a Dr.ª Nancy Bellei fala em sua palestra.

Gripe e Resfriado – Parte 2

Conheça os impactos e tratamentos das viroses respiratórias com a Dr.ª Nancy Bellei.
X
Gripe e Resfriado – Parte 2
Na 2ª parte da palestra, a Dr.ª Nancy Bellei fala sobre a incidência das doenças respiratórias, além de possíveis tratamentos. Confira!

Gripe e resfriado Parte 2

Essa segunda parte do painel aborda a incidência das doenças respiratórias, sobretudo no que diz respeito à faixa etária, o surto de H1N1 que acometeu o hemisfério norte e dados sobre o programa de vacinação da Influenza. Além disso, na aula são apresentadas as características do Vírus Sincicial Respiratório, do Metapneumovírus, da Influenza, um estudo e impacto do Rinovírus e os possíveis testes e tratamentos para gripe e resfriado.
Assista à vídeo aula para acompanhar os dados que a Dr.ª Nancy Bellei fala em sua palestra.

Calendário vacinal

Confira as mudanças no calendário vacinal, explicada pela Dr.ª Lily Yin Weckx.
X
Calendário vacinal
Vacinas reconhecidas como importantes pela Sociedade Brasileira de Pediatria passaram a ser oferecidas à população nas redes públicas de saúde. Confira!

Calendário vacinal

Muitas vacinas reconhecidas como importantes pela Sociedade Brasileira de Pediatria não atendiam a população nas redes públicas de saúde, ou seja, era preciso ir à uma clínica privada para ser imunizado. Desde de 2008, trabalhouse para introduzílas no calendário vacinal da rede pública, o que trouxe benefícios e a redução da mortalidade.
Assista à vídeo aula da Dr.ª Lily Yin Weckx que mostra um panorama do calendário vacinal da rede pública e privada e discorre sobre a administração profilática de drogas antipiréticas no momento da vacinação.

Vacinas – Parte 1

Confira o primeiro vídeo de vacinas, apresentado pelo Dr. Marco Aurélio Sáfadi.
X
Vacinas – Parte 1
Sempre que uma vacina é administrada em uma criança ou adulto ela desencadeia uma produção de anticorpos, o que causa a imunogenicidade. Confira!

Vacinas Parte I

Sempre que uma vacina é administrada em uma criança ou indivíduo, ela desencadeia uma produção de anticorpos, o que causa a imunogenicidade. Pode ocorrer uma reação no organismo desencadeando a febre, que de maneira geral, está associada a processos infecciosos, ao uso de drogas ou vacinas. Muitos profissionais administram um antitérmico logo após a vacinação.
Assista à vídeo aula ministrada pelo Dr. Marco Aurélio Sáfadi e descubra o efeito profilático do paracetamol na imunização primária nos primeiros anos de vida da criança.

Vacinas – Parte 2

Confira o segundo vídeo sobre vacinas, apresentado pelo Dr. Marco Aurélio Sáfadi.
X
Vacinas – Parte 2
Na 2ª parte da entrevista, o médico fala sobre os objetivos e conclusões de um estudo publicado no Lancet, em outubro de 2009. Confira!

Vacinas Parte 2

Na segunda parte da entrevista, o médico fala sobre os objetivos e conclusões que envolvem o estudo que foi publicado no Lancet, em outubro de 2009. A metodologia utilizada consiste em dois grupos de crianças vacinadas: O grupo I recebeu paracetamol profilático e o grupo II não recebeu o medicamento. O objetivo era avaliar se o uso do paracetamol profilático diminuiu a incidência de febre e se teve impacto na imunogenicidade.
Assista à vídeo aula ministrada pelo Dr. Marco Aurélio Sáfadi e descubra o resultado desse estudo.

Vacinas – Parte 3

Confira o terceiro vídeo sobre vacinas, apresentado pelo Dr. Marco Aurélio Sáfadi.
X
Vacinas – Parte 3
Na 3ª parte da entrevista, o médico fala sobre os dados do estudo publicado no Lancet, comenta os objetivos da pesquisa e analisa o resultado. Confira!

Vacinas Parte 3

Na terceira parte da entrevista, o médico fala mais sobre a interpretação dos dados do estudo publicado no Lancet. O pediatra e infectologista comenta os objetivos da pesquisa e analisa o resultado. Segundo a pesquisa, o uso de paracetamol profilático tem interferência na imunogenicidade, porém a eficácia e a efetividade da vacina é algo que o estudo não tem como provar.
Assista à vídeo aula ministrada pelo Dr. Marco Aurélio Sáfadi e veja como o uso do paracetamol, de maneira terapêutica, não traz prejuízo a resposta imune da vacinação.

Novidades no campo das imunizações e seus efeitos

Veja a aula do Dr. Marco Aurélio Sáfadi e conheça as atualidades no ramo da profilaxia.
X
Novidades no campo das imunizações e seus efeitos
Focado em três doenças meningocócica, pneumocócica e rotavírus, o médico especialista fala sobre os benefícios e tratamentos dessas vacinas. Confira!

Novidades no campo das imunizações e seus efeitos

Focado em três doenças meningocócica, pneumocócica e rotavírus , o Dr. Marco Aurélio Sáfadi explica como a inclusão de sua vacinação no calendário de outros países, como EUA e no Reino Unido, gerou estatísticas positivas. Ainda, Sáfadi fala sobre os dados referentes a estas patologias no Brasil e os métodos utilizados para que as vacinas tenham os resultados esperados na população brasileira.
Assista à vídeo aula do Dr. Marco Aurélio Sáfadi e entenda os benefícios e formas de tratamento para eventuais efeitos adversos destas vacinas.

Cuidados com a nutrição infantil

Veja o que a Dr.ª Flávia Soprani fala sobre os cuidados com a nutrição infantil.
X
Cuidados com a nutrição infantil
Os cuidados com a alimentação da criança devem começar já na gravidez. Confira a vídeo aula aula da Dr.ª Flávia Soprani e saiba tudo sobre nutrição infantil.

Cuidados com a nutrição infantil

O cuidado com a nutrição do bebê já deve ser iniciado durante a gestação, onde uma análise econômica e neurológica é feita sobre a mãe, para a criação de uma dieta que melhor se encaixe em seu perfil. Além disso, existem diversos itens no aleitamento e na alimentação complementar que são cruciais na hora de entender, orientar e acompanhar as pacientes.
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Flávia Soprani e descubra mais desde a alimentação na gestação, até as recomendações para refeições na época escolar.

Cuidados com a pele de recém nascidos e lactentes

Veja a perspectiva do Dr. Antônio de Arruda e da Dr.ª Flávia Addor sobre a pele infantil.
X
Cuidados com a pele de recém nascidos e lactentes
A pele dos bebês é extremamente sensível e merece uma atenção especial. Assista à vídeo aula e saiba todos os cuidados que precisam ser tomados!

Cuidados com a pele de recém nascidos e lactentes

A pele do recém nascido é mais sensível à ação de agentes infecciosos. Além disso, possui um pH neutro, diferente da pele adulta cujo pH é ácido. Essa pele tão delicada gera muitas dúvidas acerca da higiene, mas após uma longa lista de referências bibliográficas, algumas conclusões podem orientar a melhor forma de cuidar da pele do bebê recém nascido.
Assista à vídeo aula com os médicos Dr. Antônio Carlos de Arruda e a Dr.ª Flávia Addor e conheça as evidências clínicas e os aspectos que devem ser considerados no cuidado com a pele do bebê.

A eficácia do lenço umedecido na higiene do bebê

Conheça o estudo da Dr.ª Tsukiyo Kamoi sobre o efeito do lenço umedecido na hidratação.
X
A eficácia do lenço umedecido na higiene do bebê
Com o objetivo de manter a integridade e a barreira protetora da pele do bebê, foram desenvolvidos produtos hipoalergênicos infantis. Confira!

A eficácia do lenço umedecido na higiene do bebê

Por muito tempo, o lenço umedecido foi criticado por pediatras e dermatologistas. Mas com o avanço do conhecimento sobre a fisiologia da cútis, foram desenvolvidos produtos infantis hipoalergênicos, adequados a essa pele mais frágil, com o objetivo de manter a integridade e a barreira protetora na pele do bebê.
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Tsukiyo Kamoi e conheça as características do principal produto de higiene infantil e o estudo que compara o efeito do lenço umedecido que higieniza a área de fraldas com o uso de algodão e água na limpeza.

Influência dos óleos na barreira cutânea

Veja a investigação in vivo da Dr.ª Ana de Cerqueira sobre a penetração de óleos na pele.
X
Influência dos óleos na barreira cutânea
A Dr.ª Ana de Cerqueira fala sobre os tipos de óleos ideais para a proteção da pele da criança e do bebê. Confira a vídeo aula:

Influência dos óleos na barreira cutânea

A pele protege as estruturas internas do meio externo por meio do sistema de queratinização da epiderme e do manto hidrolipídico, que evita a evaporação de água da derme e promove uma hidratação natural. Para deixar a pele saudável e manter a função protetora, os emolientes são grandes aliados, pois formam uma camada de óleo no estrato córneo, aumentam a umidade e lubrificam.
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Ana de Cerqueira e saiba mais sobre os tipos de óleos a serem utilizados como emolientes e sua influência na proteção da pele.

Modificações da pele mais comuns na infância

Veja o que a Dr.ª Susana Giraldi fala das modificações mais comuns da pele da criança.
X
Modificações da pele mais comuns na infância
A pele dos bebês muda de maneira constante, por isso, merece uma atenção especial. Confira na vídeo aula os cuidados e tratamentos que essa área precisa:

Modificações da pele mais comuns na infância

A Dr.ª Susana Giraldi explica que a pele do recém nascido passa por algumas mudanças fisiológicas e patológicas. Durante as primeiras semanas, uma série de alterações ocorrem, como a perda de água transepidérmica, descamação fisiológica, que mudam a cor e a textura da pele do bebê. Além disso, a Dr.ª Giraldi explica a diferença entre a pele de um indivíduo adulto e da criança.
Assista à vídeo aula e entenda os cuidados com o recém nascido, diferenciando as modificações naturais da sua pele e como tratar as patologias mais comuns.

Três passos comprovados para melhorar o sono

Conheça as dicas da Dr.ª Márcia PradellaHallinan e saiba como melhorar o sono do bebê.
X
Três passos comprovados para melhorar o sono
A Dr.ª Márcia Pradella-Hallinan mostra três passos simples que vão ajudar o bebê a criar uma rotina de sono leve e tranquila. Confira na video aula:

Três passos comprovados para melhorar o sono

Problema de sono ou até mesmo insônia em crianças pode ser causado por razões comportamentais ou clínicas. Estimase que cerca de 25% das crianças, em idade préescolar, tenham algum tipo de distúrbio do sono que precisam ser tratados para que não perdurem na vida adulta. Para ter um sono saudável, a criança precisa ir dormir entre 19h e 20h30 e tirar sonecas diurnas.
Assista à vídeo aula da Dr.ª Márcia PradellaHallinan e veja como três passos simples, seguidos rotineiramente, podem se tornar um belo ritual para levar o bebê a um sono tranquilo.

Prevenção de acidentes domésticos com crianças

Conheça fatores de risco que mais causam acidentes domésticos na aula da Dr.ª Simone Abib.
X
Prevenção de acidentes domésticos com crianças
No mundo, mais de 800 mil crianças morrem em acidentes domésticos. A Dr.ª Simone Abib mostra como evitar acidentes, criando um ambiente seguro. Confira!

Prevenção de acidentes domésticos com crianças

Acidentes domésticos são a principal causa de morte de crianças com menos de 14 anos no Brasil. No mundo, mais de 800 mil crianças morrem por ano e 50 milhões ficam com algum tipo de sequela devido a acidentes. As principais causas são quedas, intoxicação, envenenamento, afogamento, sufocamento, acidentes com utensílios domésticos, no berço e com animais de estimação. Com algumas medidas simples, é possível prevenir até 80% dos casos.
Assista à vídeo aula com a Dr.ª Simone Abib e veja como tornar o ambiente doméstico mais seguro para as crianças.

Criança com dificuldades de aprendizagem - Parte 1

Veja o que o Dr. Tadeu Fernandes explica sobre os estímulos que auxiliam a aprendizagem.
X
Criança com dificuldades de aprendizagem - Parte 1
Crianças com dificuldade de aprendizagem necessitam de compreensão e cuidado. Saiba mais sobre o que influencia essa condição e fique por dentro do assunto!

Criança com dificuldades de aprendizagem - Parte 1

Pedro Henrique tem 9 anos e foi encaminhado pela escola com um prédiagnóstico de hiperatividade e desatenção. Os pais também se queixam que ele lê muito devagar e erra contas fáceis. Isso é dificuldade, preguiça ou doença? É importante ter em mente que a culpa não está apenas na criança, mas a família e a escola influenciam no comportamento da criança.
Assista à vídeo aula com o Dr. Tadeu Fernandes e saiba mais sobre os fatores que influenciam a criança que não aprende, quais são as fases da aprendizagem e também as bases neuroanatômicas.

Criança com dificuldades de aprendizagem - Parte 2

Conheça a origem dos transtornos das habilidades escolares, com o Dr. Tadeu Fernandes.
X
Criança com dificuldades de aprendizagem - Parte 2
A 2ª parte da vídeo aula aborda os aspectos da patologia, ou seja, quando há o diagnóstico de um transtorno específico das habilidades escolares. Confira!

Criança com dificuldades de aprendizagem - Parte 2

A segunda parte da aula sobre crianças com dificuldade de aprendizagem aborda os aspectos da patologia, ou seja, quando há o diagnóstico de um Transtorno Específico do Desenvolvimento das Habilidades Escolares. Entenda qual é a origem, a definição, os tipos de dificuldades de aprendizagem, a base genética, os sinais que podem indicar um transtorno e como fazer o diagnóstico do problema.
Assista à vídeo aula com o Dr. Tadeu Fernandes e saiba mais sobre os aspectos que envolvem os principais transtornos de aprendizagem.

Problemas de sono do bebê

Descubra o que a Dr.ª Eduardina Tenenbojm fala sobre os problemas de sono da criança.
X
Problemas de sono do bebê
Cerca de 30% de bebês apresentam algum problema de sono nos primeiros anos de vida. Assista à vídeo aula e descubra o que influencia o sono infantil.

Problemas de sono do bebê

A dificuldade de sono do bebê é muito frequente, cerca de 30% das crianças apresentam algum problema nos primeiros anos de vida. No geral, os profissionais de saúde têm dificuldades em lidar com a falta de sono. Por isso, vale entender como é o padrão de sono da criança, quando se trata de um distúrbio, como as doenças orgânicas podem influenciar, como deve ser a avaliação diagnóstica do problema e o que pode melhorar a qualidade do sono.
Assista à vídeo aula e veja o que a Dr.ª Eduardina Tenenbojm tem a dizer sobre a criança que não dorme.

Falha de crescimento da criança

Veja o que o Dr. José Gabel discute sobre os aspectos que envolvem a falha de crescimento.
X
Falha de crescimento da criança
Problemas de crescimento são comuns na área pediátrica. O Dr. José Gabel explica as causas, os sintomas e qual o tratamento indicado. Confira!

Falha de crescimento da criança

Os problemas de crescimento são muito comuns nos consultórios. Eles acometem de 1% a 5% das crianças, em sua maioria de baixa renda, e 20% a 33% dos casos não são diagnosticados. Diversos fatores podem ser um sinal de falha no crescimento infantil, desde o ganho energético inadequado ou excessivo, falha na absorção de carboidratos e lipídios ou mesmo ter uma causa psicossocial.
Assista à vídeo aula com o Dr. José Gabel e conheça a origem, os sinais e sintomas de falha de crescimento, como deve ser a avaliação inicial e qual o tratamento indicado.